Escrita

E com a verdade mentimos

038fae99aacd320595b94728a086727b.jpg

Posso tudo quando escrevo. Pintar o céu e o mundo das cores que eu quiser. Ou tirar-lhes as cores todas.
Posso sentir seja o que for. Fazer com que exista ou que deixe de existir.
Porque quando escrevemos, criamos. Reinventamos a vida e vivemos as coisas como não são.
E com a verdade mentimos, nos mundos todos que quisermos. Fingindo ser até quem somos, trazemos à realidade quem queremos ser, num remoinho qualquer de fantasias que nos envolvem, na magia de escrever um sítio inteiro e se sentir inteiro outra vez.
Levamos connosco quem se encontra com as nossas letras, aqui e ali, e por aí andamos sem ir a lugar nenhum, com estes e aqueles que nunca vimos, a viver de todas as formas, em todos os tempos antes e depois de nós.
Escrever é pôr tudo no sítio errado para sentir alguma coerência. Com palavras antigas pôr tudo novo e pronto a estrear.
Dizer o que da boca não passa, mas que os dedos têm todo o prazer em gritar.
É ser quem não somos, e quem somos e quando quisermos. É ser livre no tempo e no espaço, e fazer todos os impossíveis possíveis num pedacinho de folha, num guardanapo qualquer.
Viajar todos os dias nas palavras de alguém, ou criar caminhos de letras que se deixam caminhar também.
Posso tudo quando escrevo, mesmo que me envolvam, sonoros e agressivos, sentimentos cor de cinza, voo onde eu quiser em todas as cores da minha escrita.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s